Portal O Mandacaru

Ciro Nogueira: da juventude em Brasília a alvo da Lava-Jato

O senador pelo Piauí passou parte da infância e adolescência em Brasília:

Créditos: Reprodução Ciro Nogueira, Senador Ciro Nogueira, Senador

Um dos alvos da operação deflagrada pela Polícia Federal na terça-feira (24/4) no Congresso Nacional, o senador Ciro Nogueira Lima Filho (PP-PI), 49 anos, está na política desde 1994. Muito antes disso, porém, já tinha contato com o poder. Filho de parlamentar, mudou-se para Brasília quando ainda era adolescente. Estudou em colégios caros e fez amizade com pessoas que foram importantes em sua carreira. Venceu a primeira eleição aos 26 anos, lançado como um substituto do pai, Ciro Nogueira, então deputado federal pelo Piauí.

Ciro é presidente do Partido Progressista e empresário, dono de uma grande concessionária de carros e motos. Considerado mais próximo da direita, Ciro está no centro. Votou a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), é contra o aborto, faz parte da bancada ruralista e apoia o sistema Parlamentarista — onde o Executivo é representado pelo Congresso. Tem cinco processos em aberto, um deles aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) em que é acusado de lavagem de dinheiro, ocultação de bens, tráfico de influência e formação de quadrilha (veja acusações).

Tornou-se senador em 2010, com 695 mil votos. Em Brasília, Ciro costuma frequentar poucos restaurantes. Prefere endereços localizados no Lago Sul, onde fica a residência da família na capital, e locais especializados em carne. Às vezes, almoça com pessoas do partido em uma famosa churrascaria do Setor Hoteleiro Sul.
 

Confira os processos de Ciro Nogueira:


STF
Inquérito 3910/2014
Ciro Nogueira e a mulher, a deputada federal Iracema Portella, foram acusados de lavagem de dinheiro, ocultação de bens, tráfico de influência

STF
Inquérito 3989/2015
Investigação no âmbito da Operação Lava-Jato que investiga esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras.

TRF-1
Ação popular 0039272-79.2004.4.01.3400
Condenado por ser omisso quando atuava como 4ª Secretário da Mesa na Câmara dos Deputados ao ignorar que um ex-deputado continuava ocupando imóvel funcional. Foi condenado a pagar 163 vezes o valor do auxílio-moradia pago pela Casa em 2004. Interpôs embargos de declaração, mas a condenação foi mantida. Apela em segunda instância.

TRF-1
Ação Civil 005703-81.2014.4.01.4000
Senador teria usado recursos públicos para a propaganda eleitoral de Iracema Portella nas últimas eleições, em 2014. 

TRF-1
Ação Civil 0039259-80.2004.4.01.3400
Dano ao Erário

Fonte: Correio Braziliense
Editor: Evandro Jr.

Copyright 2018 - Portal O Mandacaru