Portal O Mandacaru

Dia do arqueólogo: mercado se expande para a profissão

De pesquisa a escavações, profissão vem crescendo e interesse sobre como se formar e atuar na área

Créditos: Reprodução Dia do Arqueólogo Dia do Arqueólogo

No dia 26 de julho, é comemorado o Dia do Arqueólogo no Brasil. Com um mercado crescente, a arqueologia pode ser um caminho interessante para quem está em dúvida na escolha da profissão. Segundo Gilson Rambelli, professor do departamento de arqueologia da Universidade Federal de Sergipe e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Arqueologia, o trabalho “une o útil ao agradável”. Agradável para quem gosta de estudar história, desenvolvimento da cultura e das sociedades; e útil por oferecer boas oportunidades financeiras.

O arqueólogo é o profissional que estuda a sociedade por meio da cultura material. “Se, depois de alguns anos, encontrarem um diário em que eu dizia que só comia chocolate suíço e tomava bebidas caras, isso pode ser desmentido, caso um estudo arqueológico mostre que na minha casa só havia restos de pão e água”, exemplifica o professor.

Desde 2002, uma portaria do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) estabelece que, junto aos estudos ambientais, as obras realizadas no Brasil precisam apresentar também uma análise de impacto arqueológico. Para isso, é preciso que um profissional avalie as possibilidade da região afetada possuir um sítio arqueológico e, confirmando a hipótese, faça o trabalho de preservação do material histórico.

Rambelli entende que a portaria colocou a profissão em um patamar fundamental da sociedade e criou um novo mercado, propiciando o surgimento de empresas especializadas em realizar os estudos, além de vagas no serviço público. “Muitos estudantes já saem empregados e ganhando bem. E, claro, para aqueles que desejam se especializar e trabalhar no Egito, ainda existem possibilidades”, brinca.

Além da brincadeira com o país das pirâmides, o professor esclarece que existem diversas possibilidades não apenas para pesquisa em países do velho mundo, mas também no Brasil.

Outra opção para o arqueólogo é seguir a carreira acadêmica, lecionando e realizando pesquisas em universidades. Rambelli comenta, ainda, que existem diversas áreas de especialização, tornando o campo bastante eclético. Ele mesmo, além de dar aulas na graduação e na pós, é especializado em arqueologia subaquática.

Teoria e prática 

Já na reta final do curso, a estudante Érika Sousa Vieira de Castro comenta que pretende seguir carreira acadêmica e, no futuro, pensa em criar uma empresa. Além dos conhecimentos adquiridos na faculdade, ela complementa a formação e ganha experiência atuando como diretora-presidente da Consultoria Arqueológica Júnior da Universidade Federal de Sergipe, a primeira empresa júnior da área no Brasil. Érika comenta que o curso é bastante equilibrado na relação entre teoria e prática.

Se os salários são atrativos e as oportunidades crescentes, por outro lado, Rambelli comenta que a ausência de regulamentação da profissão ainda é um problema. “Faltam regras que deixem claro quem pode atuar na área. A parte técnica do trabalho no campo é simples, mas a reflexão sobre o material encontrado exige uma reflexão mais profunda. A formação faz diferença.”

Onde estudar 

A nova realidade mercadológica fez surgirem novos cursos de graduação. Durante muito tempo, quem queria seguir a carreira precisava fazer uma pós-graduação. Nos anos 80, a única opção de faculdade na área era oferecida pela Universidade Estácio de Sá, mas o curso foi fechado na década seguinte.

A situação mudou nos anos 2000. Atualmente, oito instituições de todas as regiões do País oferecem bacharelado em arqueologia. São elas: Universidade Federal do Vale do São Francisco, Pontifícia Universidade Católica de Goiás; Universidade Federal de Sergipe; Universidade Federal de Pernambuco; Universidade Federal do Rio Grande; Universidade Federal de Rondônia; Universidade do Estado da Bahia; Universidade Estadual do Rio de Janeiro; Universidade do Estado do Amazonas.

Fonte: Informações do TERRA

Copyright 2017 - Portal O Mandacaru