Portal O Mandacaru

IBGE: No Piauí, 12,3% da população vive em domicílios sem banheiro

Do total da população brasileira, 3,4 milhões de pessoas, vivem nestas condições.

Créditos: 180graus.com Imagem: Reprodução Imagem: Reprodução

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que no Piauí e no Acre, respectivamente, 12,3% e 10,2% de suas populações vivem em domicílios sem banheiro ou sanitário de uso exclusivo. Do total da população, 1,7% 3,4 milhões de pessoas, vivem nestas condições.

As informações estão presentes na Síntese de indicadores sociais (SIS), que analisa o mercado de trabalho, a distribuição de renda e a mobilidade ocupacional e educacional no país.

Embora o Brasil não tenha uma “linha de pobreza” oficial, a SIS fez um estudo a partir de diversas abordagens desse tema. Considerando-se a linha proposta pelo Banco Mundial, por exemplo, um quarto da população brasileira vive com renda de até 5,5 dólares por dia (R$387 por mês), incluindo 42,4% das crianças e adolescentes de até 14 anos do país.

Os números mostram ainda que 37,9% dos domicílios do país não tinham acesso simultâneo aos três serviços de saneamento básico (coleta de lixo, água tratada e acesso à rede de esgoto).

Ocupação dos jovens e consequências da crise
Os jovens (16 a 29 anos) tiveram a maior queda na ocupação de 2012 para 2016 (-6,5 p.p.). O nível de ocupação desse grupo etário diminuiu de 59,1% (2012) para 52,6% (2016). O nível de ocupação para mulheres jovens foi de 44,8%, e o dos homens foi de 60,5%.

A taxa de desocupação dos jovens ficou em 18,9% para homens e em 24,0% para mulheres. Dos desocupados, 54,9% tinham de 16 a 29 anos, refletindo em uma taxa de desocupação (21,1%) mais alta para este grupo que para os demais.

O Amapá (29,2%) teve a maior taxa de desocupação nesta faixa etária em 2016. Com exceção do Piauí (18,2%), Sergipe (19,3%), Maranhão (20,9%) e Minas Gerais (19,3%), os estados do Nordeste e do Sudeste tiveram taxas acima da média nacional (21,1%).

A taxa composta da subutilização da força de trabalho também foi mais alta para os jovens, passando de 25,5% (2012) para 32,8% (2016). A desocupação foi o principal componente da taxa, correspondendo a 47,0% dela em 2012 e a 58,8% em 2016.

Fonte: 180graus
Editor: Evandro Jr.

Copyright 2018 - Portal O Mandacaru