Portal O Mandacaru

'Máfia dos concursos': polícia desarticula esquema que lucrava fraudando provas

Um dos alvos é ex-funcionário do antigo Cespe, que digitalizava provas e folhas de respostas

Créditos: G1 Imagem: divulgação Imagem: divulgação

As polícias civis do Distrito Federal e de Goiás fazem nesta segunda-feira (30) uma operação contra 33 suspeitos de liderar a chamada "Máfia dos Concursos" pelo país. Entre os alvos, 15 são de Brasília e 18 de Goiânia. Segundo os investigadores, eles tinham intenção de fraudar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Na capital federal, a Justiça autorizou cinco prisões preventivas (sem duração), três temporárias (de 30 dias) e oito conduções coercitivas para esclarecimentos na delegacia. Há buscas relacionadas a todos os alvos.

Entre eles, está um ex-funcionário do então Centro de Promoção e Seleção de Eventos (Cespe) – atual Cebraspe. Ele é apontado como um dos lideres do grupo especializado em fraudar provas.

Só em 2016, esse funcionário teria movimentado mais de R$ 1 milhão em recebimento de propina de interessados em passar em vestibulares e concursos, dizem os investigadores. O G1 aguarda retorno do Cebraspe e do Ministério da Educação.

Segundo a policia, ele foi demitido em março deste ano assim que foi intimado a depor em Goiânia, e o esquema começou a ser desvendado. O ex-funcionário era quem cuidava da digitalização das provas e das folhas de respostas e, por esse motivo, conseguia preencher tudo antes e aprovar quem tivesse pagado a propina, que variava entre R$ 5 mil e R$ 20 mil de entrada.

Depois de aprovado, o candidato chegava a pagar mais de R$ 100 mil ao grupo, dependendo da remuneração prevista no edital.

Depois de aprovado, o candidato chegava a pagar mais de R$ 100 mil ao grupo, dependendo da remuneração prevista no edital.

Fonte: G1
Editor: Evandro Júnior

Copyright 2018 - Portal O Mandacaru