Portal O Mandacaru

MP pede condenação de Francisco Costa por viagens à São Raimundo Nonato

Denúncia envolve desvio de recursos públicos em convênios com o Instituto do Vaqueiro do Piauí

Créditos: Reprodução Secretário de Saúde do Estado, Francisco Costa. Secretário de Saúde do Estado, Francisco Costa.

Os convênios celebrados entre a Secretaria de Saúde do Estado do Piauí (SESAPI) e o Instituto Cultural do Vaqueiro Piauiense (ICVP) podem ser anulados. A entidade recebeu o montante de R$ 2.187.000,00 para desempenho de atividades nas áreas de saúde, assistência social e infância, sem que tenha sido realizado procedimento licitatório prévio, nos anos de 2015 e 2016. O Ministério Público, que ajuizou ação civil pública declarando a nulidade dos contratos, requereu ainda a condenação do ex-Secretário de Saúde, Francisco de Assis de Oliveira Costa, do Instituto Cultural do Vaqueiro Piauiense – na pessoa do seu presidente, Daniel Napoleão do Rego Alencar – e de cinco empresas.

Segundo o órgão ministerial, foram celebrados três convênios com a SESAPI, todos em dezembro de 2015; neles, estava previsto que o Instituto do Vaqueiro promoveria projetos para a promoção da qualidade de vida da população do campo, em diversas comunidades do interior do estado.

“Convênios que envolvessem essas cifras, em termos da realidade piauiense e brasileira, seriam bastante disputados entre entidades, sindicatos e associações profissionais que detêm até melhor capacidade técnica ou muito mais tempo de atividade do que a entidade beneficiada, caso se adotasse a realização de certame licitatório, na forma preconizada pela lei”, observa a Promotora de Justiça Leida Maria de Oliveira Diniz.

O Tribunal de Contas, em três viagens de inspeção à região de São Raimundo Nonato, constatou que não foram executadas várias das ações previstas em convênio e que houve desvio de recursos públicos: foram emitidas notas fiscais em que constavam valores superiores ao efetivamente gasto com locação de estruturas; apuraram-se despesas com transporte sem justificativa ou comprovação; houve gastos com confecção de material gráfico sem que fossem distribuídas cartilhas educativas nos eventos realizados.

A promotora de justiça, Leida Diniz, ressalta que os convênios não foram precedidos por estudo pormenorizado das demandas dos municípios e nem por pesquisas sobre a viabilidade financeira da proposta. O ICVP apresentou um plano de trabalho genérico, que não indicava metas e indicadores que permitissem a aferição dos resultados.

“Destaque-se que a entidade Instituto do Vaqueiro não é inscrita no Conselho de Assistência Social, no Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente e no Conselho Municipal de Saúde, não estando, portanto, habilitada e legitimada a desenvolver qualquer projeto ou atuação nessas áreas, notadamente mediante utilização de recursos públicos”, complementa Leida Diniz.

A Promotoria de Justiça requereu ainda que os réus promovam o ressarcimento ao erário e sejam submetidos às demais sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa.

Fonte: Portal AZ

Copyright 2017 - Portal O Mandacaru