Portal O Mandacaru

Pesquisa identifica mecanismo no cérebro capaz de inibir pensamentos indesejados

A pesquisa publicada na "Nature Communications" nesta sexta-feira (3)

Créditos: G1 Neurônios do hipocampo recebendo estímulos. Região do cérebro associada à memória precisa conter substância inibitória para controle de pensamentos (Foto: Courtesy of Nikon Small World/ Dr. Kieran Boy Neurônios do hipocampo recebendo estímulos. Região do cérebro associada à memória precisa conter substância inibitória para controle de pensamentos (Foto: Courtesy of Nikon Small World/ Dr. Kieran Boy

Pesquisa publicada na "Nature Communications" nesta sexta-feira (3) demonstra que o cérebro precisa produzir uma substância específica em região relacionada à memória para que pensamentos indesejados fiquem sob controle. O achado é particularmente importante porque medicamentos que mimetizam a substância podem ser desenvolvidos para tratar transtornos diversos, como os de ansiedade.

A substância encontrada trata-se de um neurotransmissor. Neurotransmissores são substâncias que fazem a comunicação entre neurônios, já que eles não se tocam. No caso da pesquisa, cientistas identificaram que o GABA (ácido gama-aminobutírico, na sigla em inglês), precisa estar em altas concentrações para que pensamentos do passado fiquem sob controle.

O GABA é um dos principais neurotransmissores inibitórios do cérebro: ele tem por função inibir a atividade de algumas células do órgão.

Isso pode ajudar a explicar distúrbios de ansiedade e condições mais gaves, como a esquizofrenia, dizem pequisadores. Essas condições frequentemente têm como sintoma uma avalanche de pensamentos "intrusos" que podem ter em sua raiz disfunções na produção dessa substância: a invasão de pensamentos negativos, quando não estamos solicitando a memória voluntariamente, é um dos principais gatilhos para transtornos de ansiedade.

"Nossa capacidade de controlar nossos pensamentos é fundamental para o nosso bem-estar", explica Michael Anderson, autor do estudo e pesquisador na Universidade de Cambridge (Reino Unido), em nota.

"Quando essa capacidade se rompe, ela causa alguns dos sintomas mais debilitantes de doenças psiquiátricas: memórias intrusas, alucinações, ruminações e preocupações patológicas e persistentes", diz.

Fonte: G1
Editor: Evandro Júnior

Copyright 2017 - Portal O Mandacaru